Páginas

sábado, 27 de Fevereiro de 2010

Lenda das Ganchas de S. Brás



Anualmente, no dia 3 de Fevereiro realizam-se as festas a S.Brás na Vila Velha, numa pequena capela junto à igreja de S. Dinis, no cemitério mais antigo da cidade. Neste dia, é costume encontrar-se à venda as chamadas “ ganchas” feitas com massa de rebuçado e enfeitadas com bonito papel de seda. É tradição, os fiéis darem três voltas ao cemitério, às “arrecuas”, calados, para “não entrar enguiço”. É então altura de os rapazes oferecerem a gancha às raparigas, retribuindo o presente dos “pitos de Santa Luzia. Há quem diga que este doce significará “um gancho para apanhar raparigas com vontade de namorar”.
As ganchas de S. Brás, segundo reza a lenda, têm origem no séc. IV, quando uma mulher pediu a S. Brás que socorresse o filho que tinha uma espinha na garganta. Quando o santo se aproximou da criança em perigo de vida, o milagre deu-se. A partir desse feito, foi eleito protector das doenças da garganta. Como S. Brás era bispo, julga-se que a forma das ganchas, com feitio de bengalas, esteja relacionada com o báculo bispal do Santo. Outras versões defendem que a forma das ganchas representa um espátula para pincelar as gargantas ou para tirar objectos nela entalados. O facto de ser feita de açúcar será para serenar as crianças, adoçando-lhes a boca enquanto a remexem na garganta.

Sem comentários:

Enviar um comentário